quarta-feira, 22 de março de 2017

Zelon & Zada: Coisas "velhas" ou renovadas?

22.3.17

São filhos do mesmo projecto e nenhum deles está para venda. Tenham paciéncia. O Zelon aZtronauta foi inspirado por alguém e terá de ir breve para casa e estará mais ou menos disponivel mais tarde (num projeto especial) e a Zada dos dentes foi feita como protótipo e as suas irmãs estarão em breve disponíveis para quem quiser. Tem um bolso de ganga para guardar os dentes, e asas em batik, e esta foi feita com umas calças da Alice, a minha filha que está a perder os dentes e precisa dela.
São a prova de que com amor e carinho podemos fazer das coisas que uns não querem ou precisam, algo que pode ainda guardar muitas memórias no futuro.

terça-feira, 21 de março de 2017

Meet Zelon, the aZtronaut

21.3.17

O prazer que eu tive a fazer este pequeno ser. Foi feito para alguem bem crescido, logo também me passou muitas vezes pela cabeça que achasse um perfeito disparate. 
Fazer bonecos remete-nos para a infância, e a primeira boneca que eu foz tinha 12 anos. Sempre gostei e ainda gosto destas pequenas criaturas que nos olham do fundo do nosso ser, porque é impossível não lhe dar uma especie de alma, personalidade. Não tem boca, de proposito. Assim pode rir ou chorar, e, o que mais gosto nele, este pequeno astronauta, é que, não só o adulto para quem o fiz parece ter gostado, mas, foi maravilhoso ver a quantidade de likes que teve no facebook quando o mostrei ainda inacabado, ontém à noite. 
Faz pensar que enquanto os adultos ainda gostarem destas coisas, há ziguezagues a bater forte neste mundo.
Nothing makes me happier.



terça-feira, 14 de março de 2017

She

14.3.17

Das coisas que ela sempre gostou desde que saiu cá para fora, as minhas camisolas de renda. Mal se senta ao meu colo é isso que procura, e quando brinca, às crescidas, é isso que veste. 
Olha mãe, o rosa é o meu vestido, estou vestida como tu, ah, a cinzenta é tipo uma super capa.
Afinal, sempre sou super.
(#asduasafazerdeconta)

segunda-feira, 13 de março de 2017

Dos panos e "peles" e das pessoas.

13.3.17


Dos panos, já sabem o que penso.
Das pessoas, das que me "seguem" e confiam, não sei o que dizer. 
Alguns destes foram emprestados por amigos, mas de alguém que nem conheço pessoalmente, e so porque pedi no facebook, ter confiado ao ponto de me entregar os panos assim no meio da rua, e ter dito apenas "depois falamos", o que se diz? 
Às vezes há pessoas que nos dão esperança, de que afinal, os humanos ainda o são.
No final deste projecto parece-me que a lista de agradecimentos vai ser longa.
Agora se eu fujo com os batiks? Hmmm?

sexta-feira, 10 de março de 2017

Sair do armário

10.3.17

Aquelas coisas que estão ali penduradas ha anos, e pensas, ah, não posso deitar isto fora.
De repente tens uma ânsia de atacar o armário com a tesoura na mão. 
Qualquer dia alguém vai ter de me segurar, mas enquanto não conseguirem, deixo a inspiração tomar conta de mim.
There's hope for me, as long as batik exists.

terça-feira, 7 de março de 2017

Vícios tramados

7.3.17

Para além do café, acho que o meu outro vicio é o trabalho. Claro que o meu trabalho inclui uma data de coisas e parece que cada vez tenho outras. 
Andava meio bloqueada, mas agora que passou, cuidado comigo e com a minha tesoura. Ja olho para as pessoas a pensar o que vou fazer com a roupa delas.
Estas calças novas da Alice eram antes uma camisola do Paolo. E não, não as roubei...,mas agora que vi que ficam giras, ele bem pode agradecer eu nunca chegar ao estendal do segundo andar.

segunda-feira, 6 de março de 2017

Partir tijolo - saldos

6.3.17


Muito pesquisei nas minhas fotos para ver se encontrava alguma que retratasse de alguma forma esta conversa, e esta foi a única que me pareceu minimamente aceitável. É mais ou menos como partir tijolo. Todos os dias um bocadinho.

Eu sei que as pessoas não fazem por mal, não param para pensar, penso, na realidade. Não sabem a realidade? Não veem noticias? Posts no facebook sobre a industria textil? Fazem like mas não leem? 
Aquelas fotografias das criancas a trabalhar? Ring-a-bell?

Contra mim falo, eu tambem nao devia comprar muitas marcas que compro, e se e bem certo que a cada dia penso mais nisso, e compro menos, tambem sei que se pararmos de comprar, aquelas pessoas, crianças, tambem nao vão ter a vida mais facilitada. As coisas estão tão enroladas, tão enlinhadas, acabas por ser preso por ter cão, e preso por não ter. Se compras estas a contribuir para o trabalho infantil, para a exploração humana, se não compras? Vão almoçar amanha?

Esta conversa podia continuar horas a fio e eu não chegaria a uma conclusão, ainda assim, esta conversa tem a ver com outra coisa.

Sabemos porque as roupas que compramos, as malas e acessórios,  são tão baratas, certo? Tambem sabemos porque fazem saldos? Certo? Como conseguem fazer saldos, certo?

Quase todas as semanas alguem me pergunta quando vou fazer saldos, se vou fazer, se faço promoçoes, e, as vezes até arrisco um dia sem portes, mas.
Mas.
Um dia sem portes implica que eu trabalhe algumas horas sem receber.
Se eu trabalho peças únicas, com materiais de qualidade, ou estou horas a fio a fazer uma peça, se criei o meu proprio emprego, onde pago os meus impostos e sou administrativa, costureira, criadora, relações publicas, no final do mês, seria só de esperar que eu recebesse um pagamento, o salário. Assim como qualquer outra pessoa.
Por isso, parece-me que, sem querer ofender ninguem, a melhor resposta que eu posso dar para que entendam, as pessoas que não fazem estas perguntas por mal, que eu sei, quando me perguntam se faço promoçöes ou saldos, é:

Fazes promoções no teu salário?
Algumas pessoas são obrigadas a fazer, eu sei, mas, gostas?
Pois, é isso.